Pecado Original

Pecado Original

Tortinhas de maçã com recheio a la apfelstrudel e massa de doce conventual português

Ingredientes: maçã verde, uva passa, amêndoas em lascas, canela, limão, rum, farinha de trigo, manteiga, açúcar, ovo, banha, sal.

Leia mais…

Você já leu aqui sobre a origem do apfelstrudel; e aqui sobre a história dos doces conventuais portugueses. Agora resta saber: por que misturar duas tradições tão distintas?

A origem dessa ideia veio de um terceiro doce: a torta alemã, como era conhecida na minha casa em São Paulo uma torta de maçãs sem massa coberta por uma farofa doce que fica crocante após ser assada. Naquela época fazíamos a torta apenas com maçãs, limão, canela e a farofa crocante mas, quando comecei a fazê-la em casa, para minhas filhas, acrescentei alguns ingredientes típicos do apfelstrudel, como passas e amêndoas. Ficou divino, e se tornou um dos doces preferidos da minha filha mais velha, Catarina, que adorava ajudar a fazer a farofa.

Pomme

Pomme: a primeira tentativa

Convento Açoriano

Convento Açoriano: a solução

Mas como transformar isso em bolinhas? A primeira tentativa veio com o Pomme: fazer um recheio como o do apfelstrudel, com a farofa doce pré-cozida na frigideira, fechada com massa de torta doce francesa. Ficou muito bom, mas a massa, que é própria para formas, era muito difícil de ser manuseada. Outro problema era a farofa, que na frigideira não tinha a mesma consistência daquela assada, que forma uma crosta mantendo toda a umidade do recheio. Não fiquei contente.

A solução veio com outro doce do nosso cardápio, o Convento Açoriano. A massa fininha típica dos doces conventuais portugueses mantém o recheio aberto ao ir para o forno, abrindo a possibilidade de usar a farofa da torta alemã, transformando-a em delicados docinhos em formato circular, perfeitos para o cardápio do Ora Bolas. Dessa forma, substituímos o Pomme pelo Pecado Original – uma referência “àquela” maçã de Eva mas também ao mais saboroso dos pecados: o da gula!

Escrito por Graziela Storto, cozinheira e co-criadora do Ora Bolas Food Lab

Pomme

Pomme

Bolinhas de massa bem fininha com recheio à la apfelstrudel, com maçã verde, amêndoas, canela, uva passa e uma crocante farofa açucarada.

Ingredientes: maçã verde, amêndoas, uva passa, açúcar, canela, manteiga, limão, farinha de rosca, farinha de trigo e ovo.

Saiba mais…

As origens do apfelstrudel provavelmente estão na culinária árabe, mas é na Áustria que está o primeiro registro histórico deste doce. Na biblioteca municipal de Viena é possível encontrar a receita mais antiga de strudel, em um manuscrito de 1696. O apfelstrudel também é tradicional no sul da Alemanha, na Croácia, na Hungria, na República Tcheca, na Eslováquia e na Eslovênia, países que fizeram parte do Império Austro-Húngaro. No último século, tornou-se popular em regiões de imigração destes povos, especialmente alemães e austríacos, como no sul do Brasil.

O apfelstrudel é assado no forno e geralmente servido quente, polvilhado com açúcar em pó. É recheado com maçãs cortada em cubinhos, canela, passas e migalhas de pão. É comum acrescentar amêndoas ao recheio, e em algumas receitas é utilizado licor de laranja ou rum para acentuar o sabor.

Mas é a massa o grande diferencial do strudel. Originalmente se usa a filo, apesar de a massa folhada ser bem comum. Outros têm a sua própria receita. O importante é que ela deve ser bem fina e elástica. Costuma-se dizer que deve ser tão fina que seja possível ler algo através dela.

Como no Ora Bolas Food Lab tudo vira bolinha, tivemos que usar outra massa, uma que permitisse ter o formato mais próximo de uma pequena esfera, no caso uma trouxinha. Buscamos inspiração na própria Europa, e encontramos na pâte sucrée (massa doce francesa) a melhor opção para nosso misto de strudel e torta de maça, o Pomme.

Retornar ao Cardápio

Vó Censa

Vó Censa

Tortinhas recheadas com verduras e queijo parmesão. Inspirado em uma tradicional receita de família, a “torta da Vó Vicentina”

Ingredientes: escarola, espinafre, alho-poró, cebolinha, ovo caipira, queijo parmesão, farinha de trigo, sal e pimenta do reino.

Veja mais:

Vicentina

Vicentina ainda jovem

Uma autêntica matriarca. Essa foi Vicentina Braz de Siqueira Storto, minha vó. Seus nove filhos, tendo um deles morrido muito cedo, aos 11 meses, foram criados à beira do fogão, onde ela preparava as balas de café e de coco que seriam vendidas no Cine Olympia, de propriedade do meu avô, Domingos Storto – um dos primeiros cinemas da região no interior de São Paulo onde fica a cidade de mesmo nome, Olímpia, hoje grafada sem o “y”.

Norton Storto

Meu pai, Norton, experimentando – e aprovando! – nossa versão da receita familiar

Pouco após a morte de mais um filho, em meados dos anos 50, a família se mudou para São Paulo, capital, onde os outros sete filhos – entre eles meu pai, Norton Storto –, estudaram. Menos de uma década depois faleceu meu avô, e Vicentina assumiu definitivamente sua face de matriarca. Continuava fazendo seus memoráveis pratos enquanto seus filhos, agora grandes, já se viravam para estudar e trabalhar, tendo sempre a casa da mãe como um porto seguro para voltar. Entre os pratos, dois se destacam na memória de toda a família, e são reproduzidos até hoje dentro dos núcleos familiares de cada um dos sete filhos, (dentre os quais cinco permanecem entre nós): a galinha italiana e a torta de verduras.

Até a morte de minha vó em 2000, aos 94 anos, a família toda, filhos e netos (e eram muitos!), se reunia todos os domingos à tarde em seu apartamento na rua Simão Álvares, em Pinheiros – terreno da primeira residência da família em São Paulo, que a visionária Vicentina transformou em um prédio que permanece em pé até hoje com muito poucas alterações: o Edifício Olímpia, batizado em homenagem à cidade onde a família se formou.

A torta de verduras muito frequentemente estava presente nessas reuniões, principalmente para agradar ao paladar dos netos e bisnetos que, crianças que eram, às vezes torciam o nariz para a galinha. E agradava – acho que não tinha quem não gostasse da torta, quente ou fria. E para completar a comilança, brigadeiro de colher bem duro e as deliciosas balas de café e de coco, embaladas uma a uma em papel celofane – tal como eram feitas para serem vendidas no Cine Olympia.

Escrito por Graziela Storto, cozinheira e co-criadora dovo_vicentina_idosa_corte Ora Bolas Food Lab.

À esquerda, foto da minha Vó Censa como me recordo dela, sentada em sua cadeira de balanço, contando histórias ou apenas observando, orgulhosa, a família toda reunida