Sobre

O Ora Bolas Food Lab nasceu de encontros de amigos que ocorrem às sextas-feiras na casa de Alexsandro Vanin e Graziela Storto, o happy hour do Cegrava (Centro de Eventos Gra e Vanin) – como foi batizado o evento pelo mais assíduo “sócio”, Maurício Claudino, o Maumau.

Com característica de um autêntico e espontâneo happy hour, cada convidado traz sua cerveja e os donos da casa contribuem com os petiscos. E foi com petiscos criados a partir de pratos feitos pelo casal para o almoço durante a semana com suas duas filhas, Catarina e Anita, que os bolinhos começaram a surgir.

Do bolinho de peixe veio a feijoada, da feijoada a moqueca, da moqueca o bolinho de pupunha vinda da fazenda da família – e a partir daí, as ideias e receitas vinham como lampejos. A certa altura já eram tantos bolinhos que o Cesare e a Sânia, outro casal da “família” Cegrava, deu a ideia: fazer disso um negócio – juntando com os deliciosos pães da Sânia, então, era o negócio perfeito!

O desejo de trabalhar com comida já era implícito desde o início da história de Graziela e Vanin como casal, no começo dos anos 2000. A desculpa para os encontros de namorados era sempre testar novas receitas – e assim foi até o dia do casamento, em 2006. Depois disso, a comida era a desculpa para juntar os amigos, depois colocar as filhas à mesa, e daí por diante.

De bolinhos como o de moqueca, criação de Graziela para um happy hour, surgiu a ideia de transformar qualquer prato e reduzi-lo a bolinhas. O primeiro teste do que agora chamamos de Roda Baiana rendeu apenas quatro bolinhos, o suficiente para os donos da casa e o casal de amigos Fernanda e Joe, assíduos (e pontuais!) nos eventos, comerem. Ficou tão bom que a vontade foi de experimentar mais e mais – vontade essa que continua bem viva, e promete se reverter em um cardápio cada vez mais variado.

O Casal
img_4070Graziela Storto é paulistana e mora em Florianópolis desde 1996. Se formou em Jornalismo pela UFSC, mas de início queria mesmo era trabalhar com cinema, continuando uma breve carreira iniciada em São Paulo. Trabalhou posteriormente como jornalista, começou a costurar, tentou vender roupas e acessórios de miçangas – até se reencontrar, junto com seu marido, com a única paixão que permaneceu em toda essa trajetória: cozinhar, comer, ficar com a família, se encontrar com amigos…

dsc_0559Alexsandro Vanin é natural de Lages, na serra catarinense, e mora em Florianópolis desde 1993, depois de uma breve passagem por Ponta Grossa, no Paraná. Lá começou Engenharia de Materiais, em 1992, mas no ano seguinte passou para Engenharia Elétrica na UFSC. Dois anos depois largou as Exatas e iniciou o curso de Jornalismo, constituindo carreira nas áreas de negócios e de turismo. Mas algo ainda faltava. Formou-se técnico em Meteorologia, mas a profissão nunca passou de um passatempo. Agora, com a esposa, o hobby que cultiva desde os primeiros anos de universidade – cozinhar – se transforma em negócio.