Bhajis

Bhajis

Bolinho picante de vegetais com especiarias típico indiano (Vegano)

Ingredientes: cenoura, gengibre, cebola roxa, pimenta vermelha, coentro, mostarda em grãos, açafrão da terra, semente de cominho, sal, farinha de trigo, azeite e batata

Saiba mais…

Bhajis, também conhecidos como pakoras, dependendo da região, são bolinhos picantes muito comuns por toda a Índia e também no Paquistão, Bangladesh e Nepal. Em geral, são feitos de um vegetal ou de uma mistura de vegetais (“pakora” significa isso em alguns lugares, assim como “bhaji” é um sufixo para frito por imersão), mas há variações com queijo paneer e, menos comuns, carnes de peixe ou frango.

Nos casamento indianos, é comum oferecer bhajis e chai aos convidados que chegam à cerimônia. Para o povo de Maharashtra, Andhra Pradesh e Tamil Nadu, os bhajis são praticamente obrigatórios nas comemorações de festivais tradicionais. É também considerado um elemento de conforto durante a época das chuvas de monções, quando é servido com uma xícara quente de café ou chá.

Vendedoras de bhajis nas ruas de Chennai, capital de Tamil Nadu. Foto de Nagesh Jayaraman/Wikicommons

Vendedoras de bhajis nas ruas de Chennai, capital de Tamil Nadu. Foto de Nagesh Jayaraman/Wikicommons

Crocantes por fora e macios por dentro, são servidos como entrada ou lanche, às vezes acompanhados de chutneys e raitas. São muito populares nas barracas de rua nos estados de Maharashtra, Andhra Pradesh, Karnataka e Bengala Ocidental. Fora do subcontinente indiano, são presentes na culinária do sul da África, do Afeganistão, da China e também da Grã-Bretanha, onde é encontrado facilmente nos restaurantes indianos e paquistaneses.

Aliás, foi um amigo inglês, Joe Hughes, que nos apresentou o bhaji. Junto com samosas, foi a entrada de um curry de frango. Uma refeição inglesa tipicamente indiana, ou vice-versa! Segundo ele, o crescimento dos restaurantes indianos, aliado ao surgimento de uma nova geração de chefs, como Jamie Oliver, influenciou profundamente a gastronomia da Grã-Bretanha. Até mesmo o ex-secretário britânico de Relações Exteriores Robin Cook reconheceu, em uma palestra no início dos anos 2000, que o prato nacional britânico, símbolo do Reino Unido, o Chicken Tikka Masala, tem origens na gastronomia da ex-colônia inglesa. Cook explicou que o prato é uma ilustração perfeita da forma como a Grã-Bretanha absorve e adapta influências externas: Chicken tikka é um prato indiano, mas o molho Masala foi adicionado para satisfazer o desejo que os britânicos têm por comer carne servida com molho.

Uma mistura de culturas que tanto agrada o Ora Bolas Food Lab. Por isso, adotamos a receita apresentada pelo Joe, retirada de um livro de Jamie Oliver, com algumas pequenas variações. Uma delas, é claro, tentar chegar ao formato de uma bola. Experimente puro, ou acompanhado de fatias de limão, com a bebida de sua preferência.

Fontes: Wikipedia; Monstro na cozinha; 360 Meridianos

Verde Índia

Verde Índia

Bolinhas de espinafre, gengibre, pimenta verde e especiarias; acompanha molho de iogurte

Ingredientes: bolinho: espinafre; batata rosa; cebola; gengibre; pimenta verde; garam masala; pimenta do reino; sal; farinha de trigo; farinha de rosca. Molho: iogurte; pepino; limão siciliano; hortelã; cominho; sal; pimenta do reino

** Bolinho é vegano, molho não

Saiba mais…

Segundo país mais populoso, perdendo apenas para a China, a Índia tem também a maior taxa de vegetarianismo do mundo – uma pesquisa realizada em 2006 constatou que 31% dos indianos eram lactovegetarianos (que consomem produtos lácteos e ovos) e outros 9% eram ovo-vegetarianos (consomem apenas ovos entre os produtos de origem animal). Para suprir a necessidade de proteínas, existe uma grande variedade de pratos com vegetais e frutas ricos nessa substância, entre eles o espinafre.

Mas o carnívoro que achar que comida vegetariana é sinônimo de comida sem graça está muito enganado – sem graça é o último adjetivo para qualquer tipo de comida indiana. O uso das especiarias (cujo significado espiritual e medicinal já foi tratado aqui) dá ao nosso bolinho Verde Índia, inspirado nessa culinária milenar, uma gama de sabores e sensações que não deixa ninguém indiferente. A picância das pimentas e do gengibre, associada aos múltiplos e instigantes sabores do Garam Masala, atinge todas as nossas papilas gustativas, prolongando e variando o paladar ao longo do tempo. O molho de iogurte, chamado de raita, funciona como um neutralizador da pimenta, e acrescenta ainda outros sabores, como o do cominho, que também ajuda a amenizar a picância, e a hortelã, que torna o bolinho, além de tudo, refrescante.

Não gosta de pimenta?

Então pode exagerar no molho! Não é à toa que muitos pratos indianos têm laticínios como acompanhamento – entre eles a coalhada e o iogurte. Com uma culinária tradicionalmente picante, esse tipo de acompanhamento funciona como um catalisador para aqueles mais sensíveis a esse tipo de especiaria.

O componente das pimentas que promove o ardor se chama capsaicina. Quanto mais dessa substância, mais ardida será a pimenta – o pimentão, por exemplo, se destaca das suas primas pimentas por não conter essa substância. Já o iogurte ou coalhada contêm uma substância chamada caseína, cujas moléculas possuem a característica de neutralizar as moléculas de capsaicina. É por isso que de nada adianta tentar conter o ardor na boca tomando água ou outras bebidas à base de água – elas não têm caseína. O melhor, nesse caso, é tomar uma bebida de iogurte (na Índia, um dahi ou um lassi) ou simplesmente um copo de leite.

Fontes: portalsaofrancisco.com.br; iguariasindianas.wordpress.com; tudoindia.com.br; wikipedia

Retornar ao cardápio

Filfil

Filfil

O nosso Falafel, bolinhas refrescantes e levemente apimentadas de grão de bico envoltas em gergelim crocante (não contém lactose). Acompanha molho de iogurte (com lactose) com limão siciliano e tahine.

Ingredientes: grão de bico, farinha de trigo, limão siciliano, cebola roxa, pimenta verde, hortelã, alho, cominho, pimenta do reino, sal, semente de gergelim, iogurte, sal e tahine (pasta de gergelim).

** Bolinho é vegano, molho não

Saiba mais…

Filfil não é o assobio, mas bem que poderia ser – os inúmeros benefícios dos ingredientes desse bolinho, além de seu destacado sabor, merecem todos os tipos de elogios. Filfil, a palavra, é a raiz do árabe falafel, que significa “algo apimentado” – resumindo bem essa mistura do sabor suave do grão-de-bico e refrescante da hortelã com as especiarias picantes, que percorre nossa boca atingindo todas as papilas gustativas.

Falafel, o prato, é parte da culinária típica de vários países do Oriente Médio, sendo que cada um tem uma receita original. Há inclusive uma forte disputa pela origem dessa iguaria, em especial entre Líbano, Egito, Síria e Israel. A forma que o ocidente come o Falafel, em forma de sanduíche (com pão pita, molho com tahine e salada), foi criada em Israel e é a principal comida de rua deste país – o que acabou provocando uma confusão em relação à origem do bolinho, em especial com a Associação das Indústrias Libanesas, que em 2009 convocou os outros países do Oriente Médio a tomarem medidas a esse respeito.

Disputas à parte, é incontestável o sabor e os inúmeros benefícios desse bolinho para a saúde. De forma geral o bolinho deve ser firme, leve, crocante, sequinho e jamais massudo. Apenas no Egito o Falafel é feito com feijão – no resto do mundo, assim como no Ora Bolas, a base é o grão-de-bico.

O grão-de-bico é uma ótima fonte de proteína vegetal, além de ser rico em minerais – como cálcio, ferro, fósforo, potássio, cobre, entre outros –, triptofano, vitaminas (A, B e C) e fibras. A grande quantidade de fibras solúveis e não-solúveis retira a gordura excedente na alimentação, limpa o trato digestivo e ajuda a reduzir o colesterol. Além disso, sua digestão, que é demorada, impede a subida abrupta do açúcar no sangue após a refeição, sendo aconselhável para pessoas que sofrem de diabetes, resistência à insulina ou hipoglicemia.

Além do grão-de-bico, ervas e especiarias, nosso Filfil ainda é coberto por gergelim, outra excelente fonte de proteínas, cálcio, gorduras monoinsaturadas e fibras. Essa mistura é ideal para quem procura uma boa forma física e uma dieta equilibrada.

Fontes:

http://www.petitgastro.com.br
http://www.greenme.com.br
http://www.anutricionista.com
http://www.eucomosim.com
http://www.terra.com.br