Cardápio de 20 e 23 de fevereiro

O Ora Bolas Food Lab retoma suas atividades em 2018 com alguns de seus clássicos. Na terça-feira, 20, dia de pensar “Fora da Bolinha” (linha de antepastos), o cardápio é Coalhada Seca e Homus, duas delícias típicas do Oriente Médio que conquistaram todo o mundo, além da Casbá, a deliciosa e saudável trufa de tâmaras e amêndoas inspiradas em doces do Norte da África. Na sexta-feira, 23, bolinhas vão rolar: Pub, as suculentas almôndegas recheadas de queijo reino envoltas em saboroso molho de cerveja Stout e shiitake; Verde Índia, os picantes bolinhos indianos de espinafre e pimenta verde; Bola 8, as irresistíveis trufas de chocolate belga meio amargo. Afrouxem os cintos e embarquem conosco nesta fantástica viagem pelo mundo dos aromas e sabores que recomeça hoje.

TERÇA-FEIRA, 20/2

Coalhada Seca: tradicional pasta árabe que agrada a todos pela suavidade de seu sabor e de sua consistência – R$ 7,00 – 150 ml;

Homus: típica pasta árabe de grão-de-bico, tahine e alho – R$ 10,00 – 150 ml;

Casbá: trufas de tâmara, amêndoas e cacau com água de flor de laranjeira, raspas de laranja e canela, cobertas de cacau (sem açúcar, sem glúten e sem lactose) – R$ 20,00 – porção com 6 unidades.

SEXTA-FEIRA, 23/2

Pub: suculentas almôndegas de carne bovina (raça britânica) envolvidas em molho Stout de shiitake – R$ 45 – porção de aproximadamente 300g;

Verde Índia: bolinhas de espinafre, gengibre, pimenta verde e especiarias; acompanha molho de iogurte – R$ 20,00 – porção de aproximadamente 200g;

Bola 8: trufas de chocolate meio amargo belga – R$ 18 – porção com 6 bolinhas.

Os bolinhos são entregues prontos para consumo, basta aquecê-los na hora de servir. Cada porção é suficiente para duas pessoas petiscarem. Em geral, as três opções juntas podem render uma refeição para duas pessoas.

Sobre as formas de pedido: você pode pedir pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com e Facebook Messenger.

Lembramos que o pedido de antepastos deve ser feito até segunda à noite, e de bolinhas até quarta-feira de manhã; e ao fazê-lo deve ser indicada a quantidade de porções e a forma de entrega – ponto de retirada ou delivery.

Kubbeh Hamusta

Kubbeh Hamusta

O quibe no caldo, tradicional prato dos curdos e judeus do Oriente Médio

Ingredientes: caldo de frango, carne moída, sêmola, farinha de trigo, aipo, acelga, abobrinha, cebola, alho, limão siciliano, pimenta jamaica, pimenta do reino e sal

Saiba mais…

Quibe, em árabe, significa “a forma de uma bola”. Assim é uma das versões mais conhecidas no Ocidente, considerada o prato nacional da Síria e do Líbano: carne moída e trigo formam um invólucro para o recheio de carne, temperos adocicados e pinoli, no formato esférico, frito por imersão. Mas, como quase toda comida típica, existe uma infinidade de receitas, formatos e formas de preparo, dependendo da região – do Iraque ao Egito, quibe está entre as comidas mais populares.

Na culinária judia do Curdistão, do Iraque, da Síria e da Turquia, por exemplo, há uma série de quibes cujo invólucro é preparado com semolina ou farelo de arroz, e que são cozidos em caldos. O sistema diferenciado tem origem nas dificuldades encontradas antigamente para comprar e armazenar carne. No Curdistão, quando havia a rara oportunidade de comprar carne, era adquirido um animal inteiro e, para não desperdiçar nenhuma parte, ele era cozido lentamente em pedaços enormes. No final, era adicionado aipo e então tudo era moído e estocado em um lugar bem seco por meses. Quando havia necessidade, era usada para rechear o quibe e preparar sopas.

Em Jerusalém, essa variedade, considerada um prato étnico judeu típico, ganhou fama de reconfortante e se popularizou entre os restaurantes simples da cidade. A versão escolhida pelo Ora Bolas Food Lab é o hamusta verde, um caldo forte e ácido (outra característica típica de Jerusalém) de frango e limão, com acelga, aipo, abobrinha e alho.

No Kubbeh Hamusta, o sabor suave, porém marcante, dos bolinhos combina perfeitamente com o gosto acre do caldo. A massinha de semolina que envolve o recheio – temperado com aipo e pimenta-da-jamaica – é macia, porém mais espessa que a dos bolinhos asiáticos, o que lhe dá uma agradável textura ao ser comido. Quer provar?

Fonte: Ottolenghi, Yottam e Tamimi, Sami. Jerusalém; tradução Eni Rodrigues – 1ª edição – São Paulo – 2012.; NPR

Voltar ao cardápio

Nomes que evocam

Não apenas sabor e aroma garantem o sucesso de um prato. A apresentação valoriza as comidas, e suas formas podem carregar muitos significados. Os nomes também têm este poder, além de aguçar a curiosidade dos comensais.

Yuanxiao, prato típico da Festa da Lanterna na China. Foto de Wu Xiao / Wikicommons

Yuanxiao, prato típico da Festa das Lanternas na China. Foto de Wu Xiao / Wikicommons

Na milenar culinária chinesa, a apresentação, as formas e os nomes das comidas possuem historicamente uma grande importância cultural. É bem característico o uso deles para expressar bons desejos. O Yuanxiao, por exemplo, é uma pequena bolinha branca de arroz glutinoso com recheio doce que simboliza a lua cheia, fase em que ocorre o Festival das Lanternas, quando os chineses comemoram o fim do inverno e a chegada da primavera. Essas bolinhas são servidas em taças, o que simboliza a união familiar.

O simbolismo dos nomes é ainda mais variado. Pode ser um jogo de palavras, artifício muito comum no caso de comidas ligadas a festas tradicionais: Niangao, por exemplo, bolinho típico da Festa de Ano Novo Lunar, é pronunciado da mesma forma que a frase “cada ano mais alto”, expressando o desejo de prosperidade. Pode ser um homônimo: em chinês, codorna e primavera possuem o mesmo nome; “A primavera retorna à Terra”, nome de um prato com esta ave, simboliza a chegada desta estação e da felicidade. Há também os nomes baseados em histórias e lendas, alguns bem-humorados: “Buda pula o muro” é um prato de carne que diziam ser tão delicioso que um bodhisattva saiu do templo e abandonou seus princípios vegetarianos para poder comê-lo. Outros pratos são batizados com nomes de personagens históricos ligados a eles: “Joelho de Dongpo” é um prato de joelho de porco criado pelo poeta Su Dongpo (1037-1101).

Os chineses dão um grande valor aos nomes, tanto que se diz que os pratos são batizados com o mesmo cuidado com que se escolhe o nome de um filho. Ainda hoje é comum darem nomes criativos aos pratos que confeccionam, como “O dragão que nada” para um prato de peixe, ou “A Fênix” para um prato de galinha.

Nós, do Ora Bolas Food Lab, não somos chineses, mas também acreditamos no poder evocatório de um nome. A Sopa de Dragão, por exemplo: é claro que a sopa não é feita de dragão, mas o efeito picante do gengibre e o calor provocado pelo caldo justificam o nome; no Changbai, evocamos um dos maiores vulcões ativos do mundo para denominar o molho vermelho como lava do nosso mais apimentado bolinho; Fogo Sagrado tem esse nome porque é picante e devido ao valor medicinal e espiritual que a comida e as especiarias têm para os indianos; La Cave remete às cavernas de onde surgiram os fungos responsáveis pelos queijos azuis; Tropeiro usa ingredientes típicos da serra catarinense, região que foi povoada a partir da passagem dos tropeiros; Don Corleone é o canolli, doce típico italiano citado por diversas vezes no filme O Poderoso Chefão, em foma de bola; e assim por diante. Navegando pelo site você pode conhecer nossos bolinhos e descobrir as histórias e significados de seus nomes.

Fonte: Wenxiang, Gong (tradução de J.O. Fortuny Carreras). La comida en la cultura china. CAV Televisión; Revista Macau

Cardápio para 12 de maio

O Cardápio dessa semana traz versões de pratos típicos de Santa Catarina, com uma criação própria à base de pinhão e o doce que deu origem ao sagu, sobremesa típica das colônias alemãs e italianas do Estado. Daremos também um pulinho pela Índia, com um petisco vegetariano bem condimentado. Ótimas opções para as noites frias de outono.

Tropeiro:  uma homenagem aos dois pratos típicos da safra de pinhão na serra catarinense: a paçoca de pinhão e o entrevero. Acompanha molho picante de tomate com especiarias – R$ 30,00 – porção de 250 gramas;

Bhajis: bolinho de vegetais com especiarias típico indiano – R$ 20,00 – porção com 200 gramas;

Rote Grütze: doce alemão precursor do nosso sagu, com frutas vermelhas e vinho tinto. Acompanha creme de baunilha – R$ 30 – porção com 300 ml + 120 ml de creme.

Os bolinhos são entregues prontos para consumo, basta aquecê-los na hora de servir. Cada porção é suficiente para duas pessoas petiscarem. Em geral, as três opções juntas podem render uma refeição para duas pessoas.

Sobre as formas de pedido: você pode pedir pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com e Facebook Messenger.

Lembramos que o pedido deve ser feito até terça à noite, e ao fazê-lo deve ser indicada a quantidade de porções e a forma de entrega – ponto de retirada ou delivery.

Bom apetite!

Bhajis

Bhajis

Bolinho picante de vegetais com especiarias típico indiano (Vegano)

Ingredientes: cenoura, gengibre, cebola roxa, pimenta vermelha, coentro, mostarda em grãos, açafrão da terra, semente de cominho, sal, farinha de trigo, azeite e batata

Saiba mais…

Bhajis, também conhecidos como pakoras, dependendo da região, são bolinhos picantes muito comuns por toda a Índia e também no Paquistão, Bangladesh e Nepal. Em geral, são feitos de um vegetal ou de uma mistura de vegetais (“pakora” significa isso em alguns lugares, assim como “bhaji” é um sufixo para frito por imersão), mas há variações com queijo paneer e, menos comuns, carnes de peixe ou frango.

Nos casamento indianos, é comum oferecer bhajis e chai aos convidados que chegam à cerimônia. Para o povo de Maharashtra, Andhra Pradesh e Tamil Nadu, os bhajis são praticamente obrigatórios nas comemorações de festivais tradicionais. É também considerado um elemento de conforto durante a época das chuvas de monções, quando é servido com uma xícara quente de café ou chá.

Vendedoras de bhajis nas ruas de Chennai, capital de Tamil Nadu. Foto de Nagesh Jayaraman/Wikicommons

Vendedoras de bhajis nas ruas de Chennai, capital de Tamil Nadu. Foto de Nagesh Jayaraman/Wikicommons

Crocantes por fora e macios por dentro, são servidos como entrada ou lanche, às vezes acompanhados de chutneys e raitas. São muito populares nas barracas de rua nos estados de Maharashtra, Andhra Pradesh, Karnataka e Bengala Ocidental. Fora do subcontinente indiano, são presentes na culinária do sul da África, do Afeganistão, da China e também da Grã-Bretanha, onde é encontrado facilmente nos restaurantes indianos e paquistaneses.

Aliás, foi um amigo inglês, Joe Hughes, que nos apresentou o bhaji. Junto com samosas, foi a entrada de um curry de frango. Uma refeição inglesa tipicamente indiana, ou vice-versa! Segundo ele, o crescimento dos restaurantes indianos, aliado ao surgimento de uma nova geração de chefs, como Jamie Oliver, influenciou profundamente a gastronomia da Grã-Bretanha. Até mesmo o ex-secretário britânico de Relações Exteriores Robin Cook reconheceu, em uma palestra no início dos anos 2000, que o prato nacional britânico, símbolo do Reino Unido, o Chicken Tikka Masala, tem origens na gastronomia da ex-colônia inglesa. Cook explicou que o prato é uma ilustração perfeita da forma como a Grã-Bretanha absorve e adapta influências externas: Chicken tikka é um prato indiano, mas o molho Masala foi adicionado para satisfazer o desejo que os britânicos têm por comer carne servida com molho.

Uma mistura de culturas que tanto agrada o Ora Bolas Food Lab. Por isso, adotamos a receita apresentada pelo Joe, retirada de um livro de Jamie Oliver, com algumas pequenas variações. Uma delas, é claro, tentar chegar ao formato de uma bola. Experimente puro, ou acompanhado de fatias de limão, com a bebida de sua preferência.

Fontes: Wikipedia; Monstro na cozinha; 360 Meridianos

Cardápio para 20/4

Passada a Páscoa, nesta semana o Samba volta ao cardápio, que também apresenta o Bem Casado, bolinho de palmito pupunha (da fazenda da família) com presunto cru. Para finalizar bem, trufas de chocolate meio amargo – afinal, o Coelhinho acabou de passar 😉
Ah, por causa do feriado de Tiradentes, a entrega será feita na quinta-feira, dia 20, nos pontos de sempre.

Samba: bolinhas de feijoada com recheio de bacon crocante envolto em couve refogada; acompanha molho de pimenta com feijão – R$ 25,00 – porção de 250 gramas.

Bem Casado: bolinho de massa de pastel caseira recheado de palmito pupunha com presunto cru – R$ 20 – porção de 200 gramas.

Bola 8: trufas de chocolate meio amargo – R$ 15 – porção com 6 bolinhas.

Os bolinhos são entregues prontos para consumo, basta aquecê-los na hora de servir. Cada porção é suficiente para duas pessoas petiscarem. Em geral, as três opções juntas podem render uma refeição para duas pessoas.

Sobre as formas de pedido: você pode pedir pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com e Facebook Messenger.

Lembramos que o pedido deve ser feito até terça à noite, e ao fazê-lo deve ser indicada a quantidade de porções e a forma de entrega – ponto de retirada ou delivery.

Bom apetite!

Cardápio para 7/4

O cardápio da semana passeia pela Tailândia, com a estreia do bolinho que saiu na “Floripa É” deste ano, faz uma passagem por Florianópolis em uma receita caseira vegetariana que foi publicada no Colibri de Micael (periódico da Escola Waldorf Anabá) de 2016 e termina sua viagem pela Índia, com a já conhecida trufa de chocolate amargo com especiarias… hmmmmm

Thai: saborosos bolinhos picantes de linguiça com ervas e especiarias típicas da Tailândia. Acompanha molho caseiro de pimenta doce – R$ 20,00 – porção de aproximadamente 250 gramas;

Floresta de Duende: bolinho crocante de espinafre com recheio cremoso de mussarela de búfala, shiitake e cebola ao shoyu. – R$ 35,00 – porção de aproximadamente 250 gramas

Goa Noir: trufas de chocolate belga 70% cacau com cardamomo e café cobertas com pistache crocante – R$ 20,00 – porção com 6 bolinhos.

Os bolinhos são entregues prontos para consumo, basta aquecê-los na hora de servir. Cada porção é suficiente para duas pessoas petiscarem. Em geral, as três opções juntas podem render uma refeição para duas pessoas.

Sobre as formas de pedido: você pode pedir pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com e Facebook Messenger.

Lembramos que o pedido deve ser feito até terça à noite, e ao fazê-lo deve ser indicada a quantidade de porções e a forma de entrega – ponto de retirada ou delivery.

Bom apetite!

Cardápio especial para 22/3

Em homenagem ao aniversário de Florianópolis, elaboramos um cardápio especial baseado em ingredientes típicos da cidade e do estado e em suas origens. Por causa disso a entrega será antecipada para quarta-feira, 22/3 (nos mesmos locais e horários), véspera do feriado, e os pedidos deverão ser feitos até segunda à noite.

Changbai: receita que une dois ingredientes tipicamente catarinenses com uma roupagem asiática – almôndegas de carne suína e ostras em molho à base de doubanjiang (mistura superpicante de chili e feijão fermentado), Chinkiang (vinagre de arroz preto), xerez e shoyu. Prato da sofisticada culinária de Sichuan, na China – R$ 40,00 – porção de aproximadamente 200g;

Convento Açoriano: versão das queijadas de Vila Franca do Campo, tradicionais da Ilha de São Miguel, nos Açores, com massa fininha típica dos doces conventuais portugueses, e recheio à base de coalhada seca caseira; uma homenagem aos principais colonizadores da Ilha de Santa Catarina – R$ 10,00 – porção de 6 unidades;

Os bolinhos são entregues prontos para consumo, basta aquecê-los na hora de servir. Cada porção é suficiente para duas pessoas petiscarem.

Sobre as formas de pedido: você pode pedir pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com e Facebook Messenger.

Lembramos que nesta semana o pedido deve ser feito até segunda à noite, e ao fazê-lo deve ser indicada a quantidade de porções e a forma de entrega – ponto de retirada ou delivery.

Bom apetite!

Vai rolar Samba no carnaval

Samba

Um resumo da nossa tradicional feijoada: bolinhas de feijão bem temperado com recheio de bacon crocante envolto em couve refogada. Acompanha molho de pimenta com feijão.

Sei, parece óbvio. Mas além de marchinhas, samba-enredo e outras variações, no carnaval deste ano em Floripa vai ter também o Samba Ora Bolas, nosso bolinho de feijoada (sem glúten). É literalmente uma feijoada resumida, concentrando todo o seu sabor em pequenas bolinhas de massa de feijão e carnes, recheadas com couve refogada e bacon. Servido com o molho de feijão picante que acompanha a porção, vai fazer você pular de alegria!
O pedido deve ser feito até sexta, 14h. Pode ser pelo WhatsApp (48 99127-0099), pelo e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com ou pelo Facebook Messenger. O pagamento pode ser feito na retirada (dinheiro ou cartão) ou via link de pagamento PagSeguro.
Os bolinhos podem ser retirados em nossa residência, na Servidão Cristiano Wanderley Faria, 60 – apto.901, entre 17h e 19h; ou entregues na mesma faixa de horário pelos nossos parceiros da Orbis Ciclo Entregas (confira as regiões atendidas e o custo). No caso de delivery, o pagamento deve ser feito antecipado, via link de pagamento.
Uma porção de Samba Ora Bolas vem com 12 bolinhos, e pode ser frito ou assado. O preço da porção é R$ 25,00 (indicar a forma de preparo e o número de porções ao fazer o pedido).

Tempo para reflexão

Olá, pessoal! Estamos oficialmente de recesso até o fim de janeiro. Aproveitaremos este tempo para aprimorar nossos produtos e serviços, e também para pesquisar e criar novas delícias. Para isso, gostaríamos de ouvir a opinião de vocês. Criamos este formulário que ficará disponível até 31 de janeiro. Ficaremos imensamente gratos com a ajuda de vocês.