Equinócio (Tang Yuan)

IMG_8612Nossa versão do Tang Yuan, bolinho chinês no caldo servido tradicionalmente durante o Festival das Lanternas, em comemoração à chegada da primavera 

Ingredientes: recheio do bolinho – carne de porco, camarão, cogumelo seco, cogumelo shitake fresco, repolho, ovo, cinco especiarias chinesas, molho de soja (shoyu), gengibre, cebolinha e sal; massa do bolinho – farinha de arroz glutinoso e água; caldo de frango.

Saiba mais…

Na China, o Ano Novo – que não começa em 1º de janeiro, mas sim na primeira lua nova do calendário lunissolar chinês, o que ocorre entre 21 de janeiro e 20 de fevereiro – é recebido com uma série de comemorações, que se iniciam no oitavo dia do último mês e se estendem até o 15º dia no novo ano. Por coincidir com o fim do inverno, o período é também chamado de Festival da Primavera.

Este é o festival mais importante para os chineses. É época de se reunir com a família, não importa o quão distante esteja, para o jantar da véspera do Ano Novo. Os dias que se seguem são tempo para prestar homenagens aos ancestrais e membros mais velhos da família, visitar templos, encontrar amigos e trocar saudações e lembranças. Pela cidade há queima de fogos de artifício (hoje proibida nas grandes cidades), apresentações de teatro de fantoches e de sombras, e atrações folclóricas como a Dança do Leão, a Dança do Dragão e equilibristas em pernas de pau.

Esta pintura, feita por um pintor da corte imperial em 1485, descreve o imperador Chenghua desfrutando as festividades com famílias na Cidade Proibida durante o Festival das Lanternas Tradicionais. Inclui performances acrobáticas, óperas, shows de magia e provocando fogos de artifício.

Pintura de 1485 descreve o imperador desfrutando o Festival das Lanternas

No último dia das festas de Ano Novo os chineses se concentram nas ruas para confraternizar, quando ocorre o Festival das Lanternas, considerado o mais recreativo e participativo da China. Além das próprias lanternas, dos mais variados formatos e tamanhos, espalhadas por toda a cidade – há inclusive parques de lanternas criados apenas para o festival – e das outras atrações, resolver enigmas escritos por calígrafos nas lanternas é um desafio muito procurado.

Outro símbolo do Festival das Lanternas é o Tang Yuan, também chamado de Yuanxiao. Trata-se de um bolinho de farinha de arroz glutinoso com recheios diversos, servido em um caldo como prato salgado ou, geralmente, doce. A forma redonda do bolinho de cor branca, além de lembrar a lua cheia que brilha no céu desta noite, simboliza a união e coesão da família. Não comer a iguaria é como não ter celebrado o Ano Novo e a primavera que vem chegando.

No Brasil, seguimos outro calendário e estamos em outro hemisfério. Mas, principalmente no sul do país, a chegada da primavera é esperada com ansiedade depois do frio do inverno. Para celebrar, o Ora Bolas Food Lab escolheu duas versões de tang yuan: uma salgada, batizada de Equinócio, e outra doce, o Luar de Primavera.

O Equinócio é recheado com carne suína, camarões, cogumelos, repolho, gengibre e especiarias. O caldo escolhido é o de frango, tanto pelo sabor e propriedades quanto pela sua simbologia. Pratos de frango não podem ser excluídos das comemorações do Festival da Primavera, pois em chinês sua pronúncia (“ji”) significa auspiciosidade. Além disso, o atual ano chinês, que começou em 28 de janeiro, tem como regente o Galo de Fogo.

Fontes: Wikipedia; China.org.cn; Travel China Guide; Epoch Times; China na minha vida

 

Knödel

Knodel: caldo de carne com bolinhas de massa de pão, linguiça, queijo e condimentos

Knodel: caldo de carne com bolinhas de massa de pão, linguiça, queijo e condimentos

Há quem diga que o knödel está para os tiroleses assim como o hambúrguer para os americanos, a pizza para os italianos e o fish & chips para os ingleses. Acredita-se que ele faça parte da vida dos austríacos nos últimos 4 mil anos, desde que a primeira versão surgiu na Alta Áustria, às margens do lago Mondsee. A primeira descrição visual do knödel é do século 13: na capela do Castelo de Hocheppan, no Tirol italiano, um afresco mostra uma mulher ajoelhada ofertando a iguaria para a Virgem Maria.

Mas na verdade essas bolas de massa feita à base de farinha, pão (ou batata) e especiarias, cozidas em água ou caldo quente, são comuns por toda a Europa Central e leste europeu – um antigo ditado dizia que uma garota tcheca não estava preparada para casar até saber preparar este acepipe. E por isso, assim como ocorre com o quibe no Oriente Médio e Norte da África (saiba mais aqui), há uma série de receitas, formatos e formas de preparo do knödel, que pode ser servido como prato principal ou acompanhamento, como sopa ou como sobremesa.

No Brasil, o Knödel é tradicional em áreas de colonização austríaca e alemã, como na Região Sul. Em Treze Tílias, cidade catarinense fundada por austríacos, costuma ocorrer em julho a Knödel Fest. Lá ele costuma ser servido acompanhado de molhos ou como sopa. O Ora Bolas Food Lab escolheu esta forma de preparo para o seu Knödel, em um saboroso e aromático caldo de carne (saiba mais sobre as propriedades de um brodo aqui), com bolinhas preparadas com farinha de trigo, pão, linguiça Blumenau (a original, de Pomerode) e condimentos. Um pouquinho do Tirol, com um toque catarinense, para aquecer sua noite. Guten Appetit!

Fontes: Wikipedia; Ö as in Knödel; Honest Cooking

Brodo di Nero

Brodo di Nero

Caldo italiano de frango com almôndegas de carne suína, cebola caramelizada e queijo pecorino romano. Acompanha croutons

Ingredientes: caldo de frango (frango, aipo, cebola, batata, cenoura, tomate, alho, salsinha, louro, sal, pimenta do reino), carne suína, parmesão, pecorino romano     (queijo curado de ovelha), couve, cebola, ovo, leite, farinha, alho, azeite, sal.

Cardápio de 22 e 25 de agosto

O cardápio desta semana começa com uma novidade na Temporada de Sopas, terça-feira 22, vinda diretamente do Oriente Médio: o exótico Kubbeh Hamusta – caldo azedo, com aroma de limão, e bolinhos tipo quibe com massa de sêmola. Para completar, Casbá, a trufa de tâmaras e amêndoas com cacau, água de laranjeira e canela (sem açúcar, sem glúten, sem lactose), uma verdadeira delícia com o sabor do Norte da África.

Para o happy-hour Ora Bolas Food Lab, na sexta-feira 25, começamos pela Índia, fonte de inspiração para o Seekh Keba’ball, saboroso kebab de cordeiro em forma de bolinhas cremosas. Depois partimos para a Itália, terra de origem do Palla Gialla, nossa versão dos  famosos arancini sicilianos. Para finalizar, voltamos à Índia, o mundo mágico das especiarias que enriquecem Goa, nossa trufa de chocolate belga 70%.

TERÇA-FEIRA, 22 DE AGOSTO

Kubbeh Hamusta: o marcante quibe no caldo, tradicional prato dos curdos e judeus do Oriente Médio – R$ 25,00 – porção para duas pessoas (aproximadamente 500 gramas)

Casbá: trufas de tâmara, amêndoas e cacau com água de flor de laranjeira, raspas de laranja e canela, cobertas de cacau (sem açúcar, sem glúten e sem lactose) – R$ 20,00 – porção com 6 unidades.

SEXTA-FEIRA, 25 DE AGOSTO

Seekh Keba’ball: cremosas “bolinhas-patê” de carne de cordeiro e especiarias para comer com pão pita ou chapati. Acompanha molho de iogurte – R$ 40,00 – porção com 200 gramas;

Palla Gialla: bolinho de risoto de açafrão recheado com mussarela de búfala – R$ 35,00 – porção de 250 gramas;

Goa Noir: trufas de chocolate belga 70% cacau com cardamomo e café cobertas com pistache crocante – R$ 20,00 – porção com 6 bolinhos.

Os bolinhos são entregues prontos para consumo, basta aquecê-los na hora de servir. Cada porção é suficiente para duas pessoas petiscarem. Em geral, as três opções juntas podem render uma refeição para duas pessoas.

Sobre as formas de pedido: você pode pedir pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com e Facebook Messenger.

Lembramos que o pedido da sopa deve ser feito até segunda à noite, e do cardápio de sexta até quarta-feira de manhã, e ao fazê-lo deve ser indicada a quantidade de porções e a forma de entrega – ponto de retirada ou delivery.

Bom apetite!

Kubbeh Hamusta

Kubbeh Hamusta

O quibe no caldo, tradicional prato dos curdos e judeus do Oriente Médio

Ingredientes: caldo de frango, carne moída, sêmola, farinha de trigo, aipo, acelga, abobrinha, cebola, alho, limão siciliano, pimenta jamaica, pimenta do reino e sal

Saiba mais…

Quibe, em árabe, significa “a forma de uma bola”. Assim é uma das versões mais conhecidas no Ocidente, considerada o prato nacional da Síria e do Líbano: carne moída e trigo formam um invólucro para o recheio de carne, temperos adocicados e pinoli, no formato esférico, frito por imersão. Mas, como quase toda comida típica, existe uma infinidade de receitas, formatos e formas de preparo, dependendo da região – do Iraque ao Egito, quibe está entre as comidas mais populares.

Na culinária judia do Curdistão, do Iraque, da Síria e da Turquia, por exemplo, há uma série de quibes cujo invólucro é preparado com semolina ou farelo de arroz, e que são cozidos em caldos. O sistema diferenciado tem origem nas dificuldades encontradas antigamente para comprar e armazenar carne. No Curdistão, quando havia a rara oportunidade de comprar carne, era adquirido um animal inteiro e, para não desperdiçar nenhuma parte, ele era cozido lentamente em pedaços enormes. No final, era adicionado aipo e então tudo era moído e estocado em um lugar bem seco por meses. Quando havia necessidade, era usada para rechear o quibe e preparar sopas.

Em Jerusalém, essa variedade, considerada um prato étnico judeu típico, ganhou fama de reconfortante e se popularizou entre os restaurantes simples da cidade. A versão escolhida pelo Ora Bolas Food Lab é o hamusta verde, um caldo forte e ácido (outra característica típica de Jerusalém) de frango e limão, com acelga, aipo, abobrinha e alho.

No Kubbeh Hamusta, o sabor suave, porém marcante, dos bolinhos combina perfeitamente com o gosto acre do caldo. A massinha de semolina que envolve o recheio – temperado com aipo e pimenta-da-jamaica – é macia, porém mais espessa que a dos bolinhos asiáticos, o que lhe dá uma agradável textura ao ser comido. Quer provar?

Fonte: Ottolenghi, Yottam e Tamimi, Sami. Jerusalém; tradução Eni Rodrigues – 1ª edição – São Paulo – 2012.; NPR

Voltar ao cardápio

Cardápio de 15 e 18 de agosto

O cardápio desta semana começa leve, na terça-feira, para ajudar a se recuperar dos excessos do fim de semana e das comilanças do Dia dos Pais: Shurba, a leve e requintada sopa marroquina de codorna; e Casbá, a trufa de tâmaras e amêndoas com cacau e água de laranjeira (sem açúcar, sem glúten, sem lactose).

Já recuperados, todos estarão prontos para comemorar mais uma semana de trabalho e brindar a mais um fim de semana com um happy-hour Ora Bolas Food Lab na sexta-feira: direto da China vem o Dragão Chinês, almôndegas de carne suína envoltas em surpreendente molho agridoce picante; da Grécia, o aclamado Ilha Grega, refrescante bolinho de abobrinha com muito hortelã e queijo fetta; atravessando o Mediterrâneo, da Itália, teremos a honra de receber Don Corleone, nossa versão em bolinhas dos Cannoli, doce tradicional da Sícilia.

TERÇA-FEIRA, 15 DE AGOSTO

Shurba: uma receita tradicional do Marrocos com leves bolinhas de codorna e claras em neve em um caldo aromático com legumes e macarrão bifum (sem glúten) – R$ 30,00 – porção para duas pessoas (aproximadamente 500ml de caldo)

Casbá: trufas de tâmara, amêndoas e cacau com água de flor de laranjeira, raspas de laranja e canela, cobertas de cacau (sem açúcar, sem glúten e sem lactose) – R$ 20,00 – porção com 6 unidades.

SEXTA-FEIRA, 18 DE AGOSTO

Dragão Chinês: almôndegas de carne suína envoltas em surpreendente molho agridoce picante. Inspirado em receita da província de Sichuan, na China – R$ 20,00 – porção com 250g.;

Ilha Grega: bolinhas de abobrinha com muito hortelã e queijo fetta; acompanha molho de iogurte – R$ 30,00 – porção de 200g. mais acompanhamento;

Don Corleone: releitura dos Cannoli, doce italiano com massa de vinho Marsala, recheio de ricota e chocolate branco com raspas limão siciliano e coberto com chocolate belga 70% cacau e pistache – R$ 30,00 – porção com 6 bolinhos.

Os bolinhos são entregues prontos para consumo, basta aquecê-los na hora de servir. Cada porção é suficiente para duas pessoas petiscarem. Em geral, as três opções juntas podem render uma refeição para duas pessoas.

Sobre as formas de pedido: você pode pedir pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com e Facebook Messenger.

Lembramos que o pedido da sopa deve ser feito até hoje à noite, e do cardápio de sexta até quarta-feira, e ao fazê-lo deve ser indicada a quantidade de porções e a forma de entrega – ponto de retirada ou delivery.

Bom apetite!

Sopa de 8 de agosto

Nesta semana temos uma novidade na Temporada de Sopas do Ora Bolas Food Lab: Elixir de Kneidlach. Essa deliciosa sopa de origem judaica tem como destaque o kneidlach, um bolinho de farinha de matzá (pão sem fermento), mas o caldo de frango em que ele vem banhado, famoso por suas propriedades mitológicas de cura, não pode ser considerado um coadjuvante – além de ser de um sabor e aroma quase indescritível, fruto de horas de cozimento. E, para finalizar bem, Casbá, nosso doce funcional.

Elixir de Kneidlach: caldo de frango caipira com kneidlach (bolinho de farinha de matzá) – R$ 20,00 – porção para duas pessoas (aproximadamente 500ml).

Casbá: trufas de tâmara, amêndoas e cacau com água de flor de laranjeira, raspas de laranja e canela, cobertas de cacau (sem açúcar, sem glúten e sem lactose) – R$ 20,00 – porção com 6 unidades / R$ 7 – porção com 2 unidades.

O pedido pode ser feito até segunda-feira ao meio-dia pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com ou Facebook Messenger. A entrega ocorre na terça, das 12h às 13h, em frente à Escola Anabá. Para retirada em nossa residência, no final da tarde, favor consultar.

A sopa é entregue pronta para consumo, basta aquecê-la na hora de servir. Aceitamos pagamento em dinheiro e cartões de débito e crédito, de forma presencial ou via link de pagamento PagSeguro UOL.

 

Elixir de Kneidlach

Elixir de Kneidlach

Caldo de frango caipira com kneidlach (bolinho de farinha de matzá)

Ingredientes: frango caipira, vinho branco seco, cenoura, aipo, cebola, nabo, salsinha, coentro, tomilho, alecrim, endro, louro, gengibre, pimenta do reino, pimenta jamaica, azeite, sal, ovo, manteiga, farinha de matsá e água com gás.

Saiba mais…

As comidas carregam muitos significados. O mais simples prato pode trazer à memória de quem come a lembrança de uma pessoa querida, de um lugar visitado ou representar bons desejos. Outros pratos, mais elaborados, lembram a vida em família, aquele almoço de domingo em que todos estavam reunidos. Mas há aquelas comidas emblemáticas para uma comunidade ou todo um povo. Este é o caso da sopa de kneidlach, um caldo de frango com bolinhas de farinha de matzá presente nas mesas judaicas de todo o mundo, especialmente nas comemorações do Pessach (Páscoa) e do Rosh Hashaná (Ano Novo).

Matzá é um tipo de pão sem fermento (ázimo). Segundo a tradição judaico-cristã, o matzá foi feito pelos judeus antes da fuga do Antigo Egito, por não haver tempo para esperar até a massa fermentar. Para relembrar a travessia do deserto até Jerusalém, e reforçar costumes milenares, durante a Pessach não são consumidos alimentos fermentados. De acordo com o rabino Boruch Cohen, há uma analogia entre pão fermentado e o ser superficial, pão ázimo e o ser espiritual: pão fermentado é gordo, inflado e cheio de si mesmo; pão ázimo é achatado e humilde; o ser espiritual é o verdadeiro ser, e para que ele aflore e brilhe é preciso desinflar o ser superficial. O matzá, símbolo da humildade e do abandono do ego, é considerado um condutor do processo de libertação da alma de sua escravidão ao ser superficial.

Alguns alimentos ingeridos nestes períodos são feitos com farinha de matzá, caso do Gefilte fish (bolinho de peixe) e do kneidlach. No caso deste último, é adicionado apenas ovo, gordura e água, além de temperos suaves. O kneidlach deve ser leve e um pouco aerado, mas com sabor suficiente para destacar as características do caldo em que ele é imerso – há quem diga que este é o verdadeiro protagonista do prato.

O caldo de frango é a base das refeições do Shabat e dos feriados judaicos. Não por acaso, costuma ser chamado de “caldo de ouro”. Dentre tantas restrições, é importante fonte de nutrientes e de fácil digestão, e a ele se creditam propriedades curativas: ajuda a manter o paciente hidratado e nutrido, a fluidificar o catarro e manter as vias aéreas aquecidas, e é comprovadamente um anti-inflamatório natural. Rico em colágeno, sais minerais e aminoácidos, faz bem para a pele, para as articulações e para os ossos.

O Elixir de Kneidlach é uma homenagem do Ora Bolas Food Lab a essa tradição judaica, e para isso fizemos o nosso próprio matzá para dele produzir a farinha utilizada nos bolinhos, seguindo o tempo certo para que o pão não comece a fermentar. Sobre o caldo de frango, cada família de origem judia tem sua receita secreta. A nossa foi retirada do livro Jerusalém, de Yotam Ottolenghi e Sami Tamimi, e tem um preparo bem distinto da tradição francesa, geralmente utilizada nos nossos caldos. O resultado é um caldo dourado e cheio de sabor, com o toque irresistível do endro fresco cultivado no nosso jardim. Quando refrigerado, sua consistência é gelatinosa e homogênea, evidenciando a presença do colágeno e todas suas propriedades medicinais e nutritivas.

Fonte:  Ottolenghi, Yottam e Tamimi, Sami. Jerusalém; tradução Eni Rodrigues – 1ª edição – São Paulo – 2012.; Coisas Judaicas (1); Coisas Judaicas (2); Enxaqueca.com.br; Wikipedia

Sopa de 1º de agosto

Picante sopa de legumes chinesa com almôndegas de carne suína carregada no gengibre

Após um breve recesso, o Ora Bolas Food Lab volta nesta terça-feira com a temporada de sopas. Como poucos tiveram a oportunidade de experimentar nosso prato de estreia dessa novidade “quente”, serviremos novamente a saborosa sopa chinesa de bolinhas de carne suína com gengibre, que foi um sucesso entre os que provaram. Como sempre, você pode acessar o link abaixo e saber um pouco sobre os ingredientes, curiosidades e histórias desse exemplar da exótica e diversificada culinária chinesa. Além da sopa, para a sobremesa, você pode também reservar o primeiro item fixo do nosso cardápio, a trufa de tâmaras com cacau, canela e água de flor de laranjeira.

Sopa de Dragão: Picante sopa de legumes chinesa com almôndegas de carne suína carregada no gengibre – R$ 25,00 – porção para duas pessoas (aproximadamente 500ml)

Trufas de tâmara, amêndoas e cacau com água de flor de laranjeira, raspas de laranja e canela, cobertas de cacauCasbá: trufas de tâmara, amêndoas e cacau com água de flor de laranjeira, raspas de laranja e canela, cobertas de cacau (sem açúcar, sem glúten e sem lactose) – R$ 20,00 – porção com 6 unidades.

 

 

O pedido pode ser feito até segunda-feira ao meio-dia pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com ou Facebook Messenger. A entrega ocorre na terça, das 12h às 13h, em frente à Escola Anabá. Para retirada em nossa residência, no final da tarde, favor consultar.

A sopa é entregue pronta para consumo, basta aquecê-la na hora de servir. Aceitamos pagamento em dinheiro e cartões de débito e crédito, de forma presencial ou via link de pagamento PagSeguro UOL.

Sopa de 27/06

Shurba

Saborosa sopa de codornas com bolinhas, legumes e macarrão. Receita de origem marroquina.

A sopa desta terça, 27 de junho, é a Shurba, uma receita tradicional do Marrocos com leves bolinhas de codorna e claras em neve em um caldo aromático com legumes e macarrão – utilizaremos o bifum, que não tem glúten.

O valor da porção para duas pessoas é de R$ 30,00. Aceitamos pagamento em dinheiro e cartões de débito e crédito, de forma presencial ou via link de pagamento PagSeguro UOL).

O pedido pode ser feito até o meio-dia de segunda-feira pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com e Facebook Messenger. A entrega será feita na terça-feira, entre o meio-dia e 13h, na frente da Escola Anabá.