Cardápio de 22 e 25 de agosto

O cardápio desta semana começa com uma novidade na Temporada de Sopas, terça-feira 22, vinda diretamente do Oriente Médio: o exótico Kubbeh Hamusta – caldo azedo, com aroma de limão, e bolinhos tipo quibe com massa de sêmola. Para completar, Casbá, a trufa de tâmaras e amêndoas com cacau, água de laranjeira e canela (sem açúcar, sem glúten, sem lactose), uma verdadeira delícia com o sabor do Norte da África.

Para o happy-hour Ora Bolas Food Lab, na sexta-feira 25, começamos pela Índia, fonte de inspiração para o Seekh Keba’ball, saboroso kebab de cordeiro em forma de bolinhas cremosas. Depois partimos para a Itália, terra de origem do Palla Gialla, nossa versão dos  famosos arancini sicilianos. Para finalizar, voltamos à Índia, o mundo mágico das especiarias que enriquecem Goa, nossa trufa de chocolate belga 70%.

TERÇA-FEIRA, 22 DE AGOSTO

Kubbeh Hamusta: o marcante quibe no caldo, tradicional prato dos curdos e judeus do Oriente Médio – R$ 25,00 – porção para duas pessoas (aproximadamente 500 gramas)

Casbá: trufas de tâmara, amêndoas e cacau com água de flor de laranjeira, raspas de laranja e canela, cobertas de cacau (sem açúcar, sem glúten e sem lactose) – R$ 20,00 – porção com 6 unidades.

SEXTA-FEIRA, 25 DE AGOSTO

Seekh Keba’ball: cremosas “bolinhas-patê” de carne de cordeiro e especiarias para comer com pão pita ou chapati. Acompanha molho de iogurte – R$ 40,00 – porção com 200 gramas;

Palla Gialla: bolinho de risoto de açafrão recheado com mussarela de búfala – R$ 35,00 – porção de 250 gramas;

Goa Noir: trufas de chocolate belga 70% cacau com cardamomo e café cobertas com pistache crocante – R$ 20,00 – porção com 6 bolinhos.

Os bolinhos são entregues prontos para consumo, basta aquecê-los na hora de servir. Cada porção é suficiente para duas pessoas petiscarem. Em geral, as três opções juntas podem render uma refeição para duas pessoas.

Sobre as formas de pedido: você pode pedir pelo WhatsApp (48 99127-0099), e-mail pedidos@orabolasfoodlab.com e Facebook Messenger.

Lembramos que o pedido da sopa deve ser feito até segunda à noite, e do cardápio de sexta até quarta-feira de manhã, e ao fazê-lo deve ser indicada a quantidade de porções e a forma de entrega – ponto de retirada ou delivery.

Bom apetite!

Changbai

Para os fortes: almôndegas de carnes suína e de ostras em molho superapimentado. Receita de origem chinesa.

Ingredientes: costela suína; ostras; douban jiang (molho chinês de pimenta); vinagre chinkiang; shoyu; xerez seco; nirá; alho; farinha de milho; açúcar; claras de ovos; gengibre; óleo de girassol.

Saiba mais…

Changbai é o nome da montanha mais alta dos montes Changbai (norte) e Baekdudaegan (sul), complexo vulcânico localizado na fronteira entre a China e a Coreia do Norte. A Montanha Changbai – ou Monte Paektu, como também é conhecida – é famosa entre os geólogos por ter causado, no século X, a Erupção do Milênio, uma das maiores erupções vulcânicas já registradas. Changbai, o bolinho, tem um potencial tão explosivo quanto – a primeira sensação é de que nossa boca vai soltar lavas de fogo.

Fruto da tradicionalmente picante culinária de Sichuan, também na China, as almôndegas de carne suína e ostra em molho à base de douban jiang provocam uma verdadeira explosão à primeira mordida – que, tal como a erupção de um vulcão, vai aos poucos se arrefecendo para dar lugar a outras nuances do paladar, entre elas o doce, o salgado do shoyu, o ácido do vinagre preto e do xerez e o crocante e suculento do nirá fresco.

O vulcão que abriu a Coreia do Norte

O temor de uma nova Erupção do Milênio, com força 100 vezes superior à do vulcão islandês Eyjafjallajökull – que em 2010 afetou o espaço aéreo europeu causando prejuízo de 5 bilhões de euros – fez com que, pela primeira vez na história, a Coreia do Norte permitisse que uma equipe de cientistas ocidentais cruzasse suas fronteiras. Os alarmes – que permitiram essa exceção dentro do fechado regime ditatorial daquele país – soaram após vários sinais de atividade que o imprevisível vulcão demonstrou entre os anos de 2002 e 2005.

Foto retirada do Pinterest

Lago do Céu, Montanha Changbai

Atualmente, o único ponto em solo norte-coreano que é livre para qualquer pessoa pisar é o Lago do Céu (Lago Chonji em coreano), na cratera da Montanha Changbai, que com seus 14 quilômetros de circunferência e temperaturas que atingem 30 graus abaixo de zero atrai turistas do mundo inteiro. Apenas uma pedra indica a separação entra China e Coreia do Norte, mas não existe nenhum tipo de vigilância militar na região.

No lado chinês do parque, os turistas enfrentam longas filas para conseguir assento em um dos carros que, através de uma estreita estrada, os levam ao topo da montanha – cujo nome em Chinês significa “sempre branca”. O nome coreano, Paektu, significa “cabeça branca” e, segundo a propaganda do governo, é o local de nascimento de Kim Il-Sung, fundador da ideologia Juche (“autosuficiência”) – versão local do comunismo que deu origem ao regime autoritário. Para a cultura coreana e Manchu, da China, o vulcão tem um significado espiritual importante, já que é considerado local de origem de seus povos.

Fontes: el pais.com; blastingnews.com; agênca EFE; Wikipedia; Pinterest

Retornar ao cardápio

Seekh Keba’ball

Seekh Keba’ball

Cremosas bolinhas-patê de carne de cordeiro e especiarias para comer com pão pita ou chapatis.  Acompanha molho de iogurte.

Baseado em receita de John Gregory-Smith inspirada na culinária punjabi.

Ingredientes: pernil de cordeiro, gengibre, pimenta verde, coentro, garam masala, mostarda, alho, sal, azeite e creme de leite.

Saiba mais…

Originário do Oriente Médio, o kebab é basicamente um espetinho com pedaços de carne grelhados, tradicionalmente cordeiro. No entanto, há uma infinidade de receitas e formas de preparo, que variam de acordo com o país ou região, sofrendo até mesmo influências religiosas.

O kebab que o Ora Bolas Food Lab escolheu para transformar em bolinhas é o singular seekh kebab, um prato típico do Punjab, região da Índia e do Paquistão berço do siquismo: em vez de cortada em pedaços, a carne é moída junto a uma variedade de ervas, temperos e especiarias, e então moldada nos espetos e assada em um tandoor (espécie de forno). Os punjabis costumam comer o seekh kebab acompanhado de chutney ou raita (molho à base de iogurte), especialmente de hortelã, às vezes servidos em um pão naan – similar ao pita e ao chapati.

Os Seekh Keba’balls mantém as características do kebab punjabi: úmido e suculento, picante e ao mesmo tempo refrescante, devido ao uso do coentro em sua composição e da raita como acompanhamento. Servido no pão pita, é um petisco leve e saboroso para harmonizar com uma cerveja lager, mais suave, mas também vai bem com uma strong golden ale.

Fontes: Wikipedia, www.tigersandstrawberries.com, www.tarladalal.com, http://www.cliffordawright.com

Retornar ao Cardápio

Fogo Sagrado

Fogo Sagrado

Almôndegas de cordeiro em instigante molho picante de especiarias.

Adaptado de receita do chef John Gregory-Smith inspirada na culinária do Punjab, na Índia

Ingredientes: pernil de cordeiro, cebola roxa, tomate, gengibre, pimenta, cominho, coentro, garam massala, pimenta do reino, ovo, farinha de rosca e sal.

Saiba mais…

A pimenta ajuda na limpeza do corpo; a do reino, ajuda na digestão e é ótima para resfriados e dor de cabeça – assim como o gengibre, que além disso é expectorante, analgésico e bom para náuseas; o coentro também é um ótimo remédio para febre, alergia, náuseas e desordens na pele; o cominho, além de possuir um sabor forte que neutraliza o ardor da pimenta, também é usado para tratar dores abdominais em geral. No Garam Masala, o cardamomo estimula a mente e o coração, dando claridade de visão e disposição – além de regular a acidez no estômago e ajudar a parar vômito e tosse; a canela regula a circulação de sangue e a atividade dos aparelhos digestivo e respiratório, além dos rins; o cravo da índia é afrodisíaco e também ajuda na digestão e na purificação do sangue; por último, a noz-moscada, que pode ser usada utilizada para impotência, absorção intestinal e insônia.

Na Índia é assim: culinária e medicina estão intimamente ligadas. A comida faz parte do processo de cura e também dos conceitos milenares de equilíbrio e harmonia que regem as crenças hindus e dos sikhs. Por isso a gastronomia indiana é essencialmente sensorial em relação a sabores e cores, levando inclusive à meditação. Essa meditação gastronômica inclui os seis sabores: doce, salgado, amargo, picante, azedo e adstringente que, combinados com cores e aromas, despertam todos os cinco sentidos, trazendo equilíbrio. Além disso, pesquisas mostram que a ingestão diária de especiarias na dieta indiana ajuda a prevenir contra o câncer.

temperos

Mercado de especiarias indiano

Um pouco de história

A alimentação é tão significativa para os indianos quanto seus monumentos, arte e literatura. A grande variedade de culturas que historicamente passaram pelo país influenciaram a formação de sua gastronomia, contribuindo para os múltiplos sabores e técnicas utilizados em seus pratos. Do Império Mongol, que governou grande parte da Índia entres os séculos XVI e XIX, vieram as influências da Ásia Central, do Sudeste Asiático e da Turquia; os europeus, que colonizaram o país até meados do século XX, também deixaram sua marca, introduzindo ingredientes como o pão fermentado e o talharim, além de técnicas de cocção. Entre o fim do primeiro milênio e o início do segundo, os Árabes também passaram pelo Índia, atraídos pela riqueza das especiarias – que posteriormente também levaram o espanhol Vasco da Gama ao país, em 1498. Naquela época, o carregamento de especiarias valia muito mais que seu peso equivalente em ouro, devido à grande quantidade que poderia ser levada em apenas uma embarcação.

Esse troca-troca de culturas é responsável pelo fascínio que a culinária indiana exerce na gastronomia mundial. Cada prato possui uma diversidade de sabores que permanecem no paladar, prolongando memórias e sensações. No Ora Bolas Food Lab, o Fogo Sagrado ganhou esse nome porque é o bolinho que mais traduz toda essa herança culinária, que faz da comida indiana um remédio para o corpo e para a alma – alimentando, invadido nossos sentidos e elevando o espírito.

Retornar ao Cardápio

Pomar Marroquino

Pomar Marroquino

Almôndegas de cordeiro envoltas em molho de frutas secas e especiarias. Inspirado em prato de origem marroquina.

Ingredientes – Bolinhos: Pernil de cordeiro, canela, cúrcuma, sal, pimenta do reino branca, cebola, miolo de pão, ovo e farinha de rosca. Molho: açafrão, cebola, alho, manteiga, azeite, figo seco, damasco seco e ameixa seca.

Saiba mais…

spices1

Mercado central em Agadir. Foto de Bertrand Devouard/WikimediaCommons

A gastronomia de Marrocos é uma verdadeira provocação aos sentidos – proposta que o Ora Bolas Food Lab procura seguir. Quem anda pelos mercados tradicionais daquele país se encontra imerso em uma profusão de aromas e cores de ingredientes que, nos pratos, se transformam em uma infinidade de sabores, a partir de suas diferentes combinações. Fartura também vista na influência das culturas muçulmana, judaica e cristã, dos egípcios e berberes, dos árabes e beduínos, dos espanhóis e franceses, e também dos povos da África Subsaariana, que ao longo dos séculos ajudaram a moldar uma culinária única, exótica e refinada.

kelaa-des-mgouna_rosino-02

Tajines em Kelaat-M’Gouna. Foto de Rosino/Wikimedia Commons

Ao lado do cuscuz, o tajine é um dos pratos mais emblemáticos da cozinha desse país. Trata-se de uma espécie de cozido, em que se preparam lentamente todos os ingredientes de uma só vez em um tipo de panela cerâmica com tampa cônica que leva o mesmo nome. O mais conhecido é o de carne e legumes.

Uma das carnes preferidas dos marroquinos é a de cordeiro – e talvez ela só não seja a mais consumida por ser mais cara que a de frango. O cordeiro é protagonista de muitas festas e celebrações, sendo preparado de diversas formas, inclusive em várias versões de tajine. Uma dessas receitas tradicionais, que combina frutas secas típicas do Marrocos, amêndoas e especiarias como cúrcuma e açafrão, é a base do Pomar Marroquino.

Diz-se que, para os marroquinos, cada refeição é uma festa. E o tradicional prato único – que de único não tem nada, pois costuma ser rodeado de acompanhamentos – colocado no meio da mesa transforma-se no centro de uma cerimônia, em que os participantes vão se servindo com a mão direita (utilizando apenas o dedo médio, o indicador e o polegar), às vezes com o auxílio de um pão, e tomando chá de menta. Até parece Ora Bolas. Os bolinhos no centro da mesa do happy hour, os amigos em volta, bebendo e conversando, fazendo de um simples encontro uma confraternização saborosa.

Fontes: Medina, Ignacio. Cozinha país a país – Marrocos. Editora Moderna; Wikipedia; Marrocos.com

Retornar ao Cardápio