Nomes que evocam

Não apenas sabor e aroma garantem o sucesso de um prato. A apresentação valoriza as comidas, e suas formas podem carregar muitos significados. Os nomes também têm este poder, além de aguçar a curiosidade dos comensais.

Yuanxiao, prato típico da Festa da Lanterna na China. Foto de Wu Xiao / Wikicommons

Yuanxiao, prato típico da Festa das Lanternas na China. Foto de Wu Xiao / Wikicommons

Na milenar culinária chinesa, a apresentação, as formas e os nomes das comidas possuem historicamente uma grande importância cultural. É bem característico o uso deles para expressar bons desejos. O Yuanxiao, por exemplo, é uma pequena bolinha branca de arroz glutinoso com recheio doce que simboliza a lua cheia, fase em que ocorre o Festival das Lanternas, quando os chineses comemoram o fim do inverno e a chegada da primavera. Essas bolinhas são servidas em taças, o que simboliza a união familiar.

O simbolismo dos nomes é ainda mais variado. Pode ser um jogo de palavras, artifício muito comum no caso de comidas ligadas a festas tradicionais: Niangao, por exemplo, bolinho típico da Festa de Ano Novo Lunar, é pronunciado da mesma forma que a frase “cada ano mais alto”, expressando o desejo de prosperidade. Pode ser um homônimo: em chinês, codorna e primavera possuem o mesmo nome; “A primavera retorna à Terra”, nome de um prato com esta ave, simboliza a chegada desta estação e da felicidade. Há também os nomes baseados em histórias e lendas, alguns bem-humorados: “Buda pula o muro” é um prato de carne que diziam ser tão delicioso que um bodhisattva saiu do templo e abandonou seus princípios vegetarianos para poder comê-lo. Outros pratos são batizados com nomes de personagens históricos ligados a eles: “Joelho de Dongpo” é um prato de joelho de porco criado pelo poeta Su Dongpo (1037-1101).

Os chineses dão um grande valor aos nomes, tanto que se diz que os pratos são batizados com o mesmo cuidado com que se escolhe o nome de um filho. Ainda hoje é comum darem nomes criativos aos pratos que confeccionam, como “O dragão que nada” para um prato de peixe, ou “A Fênix” para um prato de galinha.

Nós, do Ora Bolas Food Lab, não somos chineses, mas também acreditamos no poder evocatório de um nome. A Sopa de Dragão, por exemplo: é claro que a sopa não é feita de dragão, mas o efeito picante do gengibre e o calor provocado pelo caldo justificam o nome; no Changbai, evocamos um dos maiores vulcões ativos do mundo para denominar o molho vermelho como lava do nosso mais apimentado bolinho; Fogo Sagrado tem esse nome porque é picante e devido ao valor medicinal e espiritual que a comida e as especiarias têm para os indianos; La Cave remete às cavernas de onde surgiram os fungos responsáveis pelos queijos azuis; Tropeiro usa ingredientes típicos da serra catarinense, região que foi povoada a partir da passagem dos tropeiros; Don Corleone é o canolli, doce típico italiano citado por diversas vezes no filme O Poderoso Chefão, em foma de bola; e assim por diante. Navegando pelo site você pode conhecer nossos bolinhos e descobrir as histórias e significados de seus nomes.

Fonte: Wenxiang, Gong (tradução de J.O. Fortuny Carreras). La comida en la cultura china. CAV Televisión; Revista Macau

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s