Mujadarah

Mujadarah

Bolinhas de arroz basmati e lentilha recheadas de cebola crocante; acompanha molho de iogurte e pepino

Ingredientes: lentilhas, arroz Basmati, cebola, farinha de trigo, sementes de coentro e cominho, azeite de oliva, cúrcuma, pimenta-da-jamaica, canela, açúcar, sal, pimenta do reino, ovo e farinha de rosca.

Saiba mais…

Mujadarah, Mujaddara, majadra, mejadra, mijadra, moujadara, mudardara, megadarra. Esses são os muitos nomes de um dos mais populares e antigos pratos da culinária árabe: arroz com lentilhas, coberto com cebolas fritas. A primeira receita registrada é de 1226, no Kitab al-Tabikh, livro de receitas compilado por al-Baghdadi, no Iraque. Mas a mistura provavelmente é muito mais antiga – tanto a lentilha quanto o arroz começaram a ser cultivados por volta de 10.000 a.C. Em uma passagem do Velho Testamento, Esaú trocou seus direitos de primogênito com seu irmão gêmeo Jacó por um prato de lentilhas.

No Kitab al-Tabikh a Mujadarah é um prato para celebrações, feita com carne. Mas a versão vegetariana é uma refeição comum dos pobres desde a Idade Média, e ganhou grande popularidade no mundo árabe em meados do século passado devido a sucessivas guerras e migrações na região – além dos ingredientes não serem caros, são fáceis de transportar e conservar. Ainda hoje é um prato habitual, mas diz-se que a um convidado jamais é oferecido Mujadarah; isso seria uma ofensa. Já se o convidado pedir Mujadarah, é um sinal de humildade e confiança.

Conhecemos a Mujadarah no livro de receitas Jerusalém, de Yotam Ottolengui e Sami Tamimi, que a Graziela ganhou de presente da amiga Fernanda Albertoni em seu último aniversário. A descrição do prato e a fotografia nos conquistaram imediatamente. Passado um tempo, começamos as experiências para resumir todo o sabor e aroma da Mujadarah em uma bolinha, até que chegamos à versão final: bolinho empanado de arroz com lentilhas, bem condimentado, recheado de cebola crocante, e acompanhado de molho de iogurte.

Yotam e Sami sugerem que a Mujadarah seja servida morna, mas ressaltam que ela também é ótima em temperatura ambiente. Inclusive eles lembram de uma viagem para Jericó, quando a família de Sami levou um grande pote de Mujadarah para ser servida em um piquenique. Nosso teste derradeiro também ocorreu em um passeio. Após uma caminhada por trilha até a praia do Saquinho, no sul da Ilha de Santa Catarina, junto com Fernanda e Joseph Hughes provamos os bolinhos de Mujadarah em temperatura ambiente… e eles em nada deixaram a desejar em relação ao bolinho morno. E você, como prefere?

Fontes: Ottolenghi, Yottam e Tamimi, Sami. Jerusalém; tradução Eni Rodrigues – 1ª edição – São Paulo – 2012.; Demodelando; Wikipedia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s